7 fatos que você precisa sobre a FEBRE

Olá povo lindo!

Quando nossos filhos tem febre ficamos logo apavorados né? Minha mãe sempre fala que febre é um aviso do corpo que algo está errado.
Pesquisei e achei essas dicas super interessantes principalmente para pais de primeira viagem assim como nós.

1. Fatos e mitos sobre a febre

Antes de querer dar remédio, ligar para o médico ou correr para o pronto atendimento, confira as informações da nossa galeria a seguir e entenda melhor como a febre funciona e quando é hora de realmente se preocupar e sair correndo.

Importante: só dê remédio sob orientação do pediatra (dipirona, por exemplo, só pode ser usada por crianças acima de 1 ano).

2. Febre mesmo é a partir de 37,5 graus

O comum é achar que é febre se a temperatura no termômetro tradicional (embaixo do braço) medir acima de 37 graus, mas, em termos médicos, não é bem assim. Há crianças com uma temperatura mais alta, por volta de 37 graus, mesmo que não haja nada de errado.

A temperatura pode subir um pouco naturalmente por motivos como calor ambiente, banho quente e até excesso de roupa. Existe também uma variação por horário: temperatura mais alta no final da tarde e menor de manhãzinha.

Os especialistas consideram uma temperatura entre 37 e 37,5 graus em um bebê que apresenta mal-estar como um estado febril, não febre propriamente dita. Lembrando que termômetros de ouvido marcam uma temperatura mais alta.

3. Febre de infecção bacteriana é diferente de febre de vírus


A febre viral acontece quando o corpo está lutando contra uma doença causada por um vírus, como no caso de uma gripe ou resfriado. Esse tipo de febre tende a passar em até três dias e não se cura com antibióticos.

Já a febre bacteriana é provocada por uma infecção onde uma bactéria está presente, como em certos tipos de otites (que também podem ter origem viral) e infecções urinárias. Nestes casos o pediatra pode receitar antibiótico para combater a doença.

Febre há mais de 48 horas exige, portanto, uma ida ao médico para ver se não há infecção bacteriana.

4. Em bebês com menos de 3 meses, febre é sempre urgente

Se o bebê tem menos de 3 meses, uma temperatura acima de 37,8 graus já é considerada preocupante, então procure atendimento médico o mais rápido possível.

Não dê nenhum remédio antes, a menos que sob orientação médica, já que é melhor não mascarar os sintomas antes de o bebê ser examinado. Bebês novinhos não necessariamente apresentam sinais típicos de infecções mais graves.

É bem possível que seu filho precise realizar exames de sangue e de urina para determinar se há uma infecção bacteriana por trás da febre. Em alguns casos (como quando há suspeita de meningite, outros exames mais específicos também são feitos).

5. Febre desidrata o corpo rapidamente

Quando há febre, o corpo apresenta rápida perda de líquido através da transpiração e até da respiração, aumentando o risco de desidratação, mesmo que não haja vômito nem diarreia.

Essa queda deve ser constantemente reposta pela ingestão de mais líquidos (para bebês que mamam no peito, basta aumentar o número de mamadas).

A hidratação adequada ajuda até a controlar a febre e reduzir a chance de efeitos colaterais dos medicamentos antitérmicos, ao colaborar para sua eliminação do organismo.

6. Trate os sintomas da febre, não a temperatura

Muita gente acha que quanto mais alta a febre pior o quadro da criança, porém isso não é bem verdade. Um bebê com febre de 38 graus pode parecer perfeitamente bem, enquanto outro com 37,3 graus pode estar irritado, cansado e precisando de colo a toda hora.

Isso quer dizer que se o bebê estiver tranquilo e com o comportamento de sempre não precisa baixar a febre? Isso mesmo.

Em vez de se concentrar tanto nas mudanças do termômetro, preste atenção a outros sinais para avaliar melhor o quadro geral de saúde do seu filho, como falta de energia e de apetite, choro fora do comum, muita manha.

7. Use remédio só se for mesmo necessário

Antes de começar a medicar, tente baixar a febre de forma natural, dando, por exemplo, um banho morno no bebê e deixando-o menos agasalhado.

Se ainda assim ele parecer incomodado e você for dar algum remédio (com orientação médica), tenha em mente que:

* A dosagem nesta fase é determinada pelo peso da criança, não pela idade. Siga exatamente o que diz a bula ou o pediatra.
* Nunca dê aspirina para crianças, porque é uma substância ligada a uma doença extrememente grave, a Síndrome de Reye. Bebês de até 6 meses podem tomar paracetamol; a partir de 9 meses, podem tomar ibuprofeno se não houver resposta ao paracetamol.


IMPORTANTE: Febre é uma resposta saudável!

Apesar do susto, a febre é um sinal do bom funcionamento do corpo e do sistema de defesa do organismo, portanto não vai prejudicar seu filho.

Até os casos mais extremos, como os de febre acompanhada de convulsões, podem ser cuidados e controlados. O importante é monitorar a febre e agir rápido quando necessário.

Fonte: BabyCenter

Espero que as dicas tire muitas dúvidas assim como sanou algumas aqui. E lembrando sempre que ninguém melhor para diagnosticar nossos filhos que o pediatra. Qualquer dúvida é ele quem devemos procurar e nos casos mais graves um pronto atendimento.

Aguardo todos no próximo post!

Nos siga também nas redes sociais

Facebook: Agora Somos Pais
Instagram: @agorasomospais

7 comentários:

  1. Temos trauma de febre aqui em casa desde que o Lorenzo teve uma bacteremia e foi a 40° de febre...fico muito atenta, mas aprendemos estas dicas na prática..adorei o texto.
    Beijos, www.blogbabylo.com

    ResponderExcluir
  2. Ótimo post, essas informações são muito importantes!
    Bjos
    http://www.maternizando.com/

    ResponderExcluir