O bebê Caiu e Agora?


Olá povo lindo! tudo bem com vocês?

Ester caiu duas vezes. A primeira vez comigo quando inventei de dar banho nela no tanque. Ela escorregou e bateu a cabeça bem de leve. Não tenho nem palavras para descrever o quanto me arrependi de ter feito isso, sem contar que o pai quase me "esfolou" viva.
A segunda vez foi com o pai. Normalmente quando ela acorda por volta das 5h da manhã a levamos para nossa cama. E uma dessas vezes saí para ir ao banheiro e não me certifiquei de que o papai estava mesmo acordado para tomar conta dela. Resultado, só ouvi o choro! Corri e graças a Deus ela não se machucou. Tinha caído em cima de um travesseiro que por sorte ela jogou antes.

Antes mesmo disso acontecer eu estava pesquisando. Gosto muito de pesquisar tudo que envolve o mundo infantil. Por sorte minha já tinha lido essa artigo o que me tranquilizou bastante nas ocasiões que contei para vocês.

Espero que ajude!

Sempre que o bebê leva um tombo grande -- do sofá, da cama, do trocador, do berço ou do cadeirão, por exemplo --, é necessário examiná-lo com atenção para ver se não há nenhuma lesão mais séria, principalmente se ele tiver batido as costas ou a cabeça no chão.

É preciso verificar se não há ossos quebrados, lesões internas ou uma concussão. Quedas podem ser graves em bebês, mas a boa notícia é que os ossos deles são mais flexíveis, portanto não se quebram tão fácil quanto os de crianças maiores.

Se o bebê parece estar bem, agindo normalmente, o mais provável é que a queda não tenha tido consequências mais graves. Mas o mais prudente é procurar falar com um médico para receber orientações, especialmente se a criança tiver menos que um ano de idade.

Fique de olho nela durante as 24 horas seguintes, especialmente se tiver batida na cabeça.

Siga seus instintos e prefira a precaução: se você acha que a queda foi muito grande, e que não é possível que seu filho não tenha se machucado, ou se o bebê estiver muito irritado ou agindo estranho, leve-o direto ao médico ou hospital para um exame.
Em que situações preciso levá-lo para o pronto-socorro?

Procure ajuda médica nos seguintes casos:

Se o bebê desmaiar. Caso você ache que ele não está respirando, grite por ajuda e faça manobras de ressuscitação imediatamente. Se você estiver sozinha com o bebê, primeiro faça a ressuscitação nele por dois minutos e depois telefone pedindo ajuda.

Se o bebê estiver sangrando e o sangramento não parar quando você pressiona uma gaze ou um pano sobre o ferimento. Batidas na boca às vezes sangram muito, mas nem sempre são graves. Pressione um pano limpo e dê alguma coisa gelada para o bebê chupar. O sangramento deve parar.

Se o bebê estiver respirando mas não reagir quando você fala com ele, ou se você não conseguir acordá-lo (mesmo que ele estivesse aparentemente bem depois da queda, mas apresente os sintomas horas mais tarde).

Se houver sinais de fratura: braço ou perna desalinhados, um pulso meio torto, ou quando o bebê dá indícios de que sente dor quando apoia o braço no chão ou faz algum movimento (talvez você só note isso horas depois da queda).

Se houver sinais de fratura no crânio: uma área “fofa” no osso, especialmente dos lados da cabeça (acima ou atrás da orelha); presença de sangue no branco dos olhos ou saída de sangue ou de um líquido cor-de-rosa pelo nariz ou pelas orelhas.

Se houver sinais de concussão (quando o cérebro é afetado pelo traumatismo ou batida na cabeça), como: pupilas desiguais, vômitos seguidos e sonolência maior que o normal. Dependendo da idade do bebê, observe se há mudanças no modo como ele engatinha ou anda, se ele parece mais fraco ou confuso, ou se há sinais de problemas de fala, visão ou coordenação motora.

Se o bebê não parar de gritar ou chorar depois de meia hora, por mais que você tente acalmá-lo.

Se o bebê começar a vomitar repetidamente

Se o bebê tiver um corte que pareça profundo, especialmente no rosto e em partes do corpo que se movimentam muito. Talvez seja preciso dar pontos. Na dúvida, não espere até o dia seguinte: os pontos funcionam melhor quando dados em até oito horas após o acidente.
É verdade que não devo deixar o bebê dormir depois da queda?

A vantagem de manter a criança acordada depois da queda é que fica mais fácil observar seu comportamento. Não é o fato de o bebê dormir que vai agravar a lesão, se houver uma.

A questão é que um dos sintomas de que há problemas mais sérios em consequência de uma queda é justamente não conseguir acordar a criança. Daí a impressão de que o sono é o culpado.

O que os médicos recomendam é procurar observar bem a criança. Caso o acidente tenha acontecido perto da hora de dormir, procure manter seu filho acordado por cerca de uma hora após a queda.

Depois disso, pode deixá-lo dormir, mas o acorde em cerca de duas horas, só para ver se ele responde (ele obviamente vai estar sonolento, se for no meio da noite. Desde que reaja, não há problema), e mais uma vez até o amanhecer. Se você for ficar mais tranquila, durma com ele.

Depois do estresse da queda e de toda a choradeira, é normal que as crianças fiquem exauridas e precisem de uma soneca. Por isso, caso o acidente tenha acontecido durante o dia, deixe seu filho descansar mais ou menos depois de uma hora da queda, e procure acordá-lo depois da duração costumeira da soneca diurna.

Se em qualquer momento você não conseguir acordar o bebê, leve-o ao pronto-socorro imediatamente. 

Como cuidar do "galo"?

É normal surgir um galo bem grande em batidas na cabeça. Tente não se assustar, pois o galo é mais feio do que grave. A compressa com gelo envolto em um pano ajuda o inchaço a diminuir, mas não é imprescindível -- às vezes o bebê pode se assustar e gritar mais ainda, o que só vai piorar a situação de vocês dois.

Se o bebê parecer estar com dor, você pode perguntar ao pediatra sobre a possibilidade de dar algum analgésico, na dose indicada.

Fonte: BabyCenter

Espero que as dicas ajudem assim como tem ajudado os pais de primeira viagem aqui e aguardo todos no próximo post.

Nos sigam também nas redes sociais:

Facebook: Agora Somos Pais
Instagram: @agorasomospais

4 comentários:

  1. Sem dúvidas, iria ficar desesperada! Não tenho filho, mas tenho um irmão que é 12 anos mais novo e quando era menor, eu olhava ele as vezes. Eu não saberia o que fazer em uma situação assim.

    http://www.juliechagas.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente é desesperador. Por isso todo cuidado com criança é pouco.

      Obrigada pela visita.
      Beijos

      Excluir
  2. Ainda não tenho filhos mas me lembrei da filha de uma ex-vizinha que vivia batendo a cabeça (Queria sempre acompanhar as brincadeiras das crianças maiores apesar de ser bb). Uma vez ela bateu o queixo e sangrou muito, teve q dar pontos.
    Muito útil o post, é sempre bom sabermos o que fazer em determinadas situações!

    Bjos <3
    www.pamelaishioka.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa! Deve ter sido um susto e tanto. Mas crianças são assim, sempre querem fazer o que não deve.

      Obrigada pela visita
      Beijos

      Excluir